axioma de Gumplowicz.

Defende uma concepção naturalista de Estado, entendendo-o como mero poder de facto resultante da luta entre raças diversas, onde estas são entendidas mais como grupos sociais do que como entidades étnicas.Assim, considera que o Estado surgiu da submissão violenta de hordas débeis a hordas mais fortes (Urhorden) que se encontravam na forma de Estado-Nómada (Urschwärme),a primeira forma de Estado.O Estado ainda se manteria como uma relação entre vencedores e vencidos, entre dominadores e dominados, ainda seria uma organização de domínio e ordenamento da desigualdade.

Apesar de criticar o evolucionismo de schaffle e Lilienfeld, concebe a sociedade como um conjunto de grupos que lutam cruelmente entre so, mantendo uma concepção naturalista da história e um certo fatalismo face à ideia de necessidade histórica. A lei social fundamental é o desejo de cada grupo social dominar outro, oprimindo os que se lhe opõem.

Neste sentido, desenvolve a ideia de horda, salientando que o Estado surge quando uma horda vencedora consegue estabelecer um regime permanente de opressão, reprimindo as hordas vencidas e onde a luta dos grupos sociais, estratos e partidos substitui a luta primitiva das hordas.

Observa que a divisão mais geral entre grupos sociais se estabelece entre dominadores e dominados, surgindo uma competição pelo poder. Uns lutam para explorar e escravizar. Os oprimidos pela resistência aos opressores. É assim marcado pelo materialismo económico e pelo naturalismo.

Acredita que o homem se move fundamentalmente pelo desejo de satisfazer as suas necessidades materiais, a causa final de todo o processo social. O movimento social tem assim um motivo económico e a satisfação de tais necessidades apenas se consegue pela coerção e pela violência.

Esta sociologia de luta leva-o até a falar em luta de raças, entendidas como fenómenos sócio-culturais e não biológicos. Uma luta de raças que define como luta das unidades, dos grupos e das comunidades étnicas e sociais. Nestes termos, concebe a sociologia como ciência arquitectónica, entendendo-a como o estudo dos grupos sociais e das relações entre eles, na sua luta constante e implacável, entendida como o principal factor social.

Referencia:  http://www.iscsp.ulisboa.pt/~cepp/autores/austriacos/gumplowicz.htm

Estudantes: Deize Gomes

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s